transplante capilar

Guia do Transplante Capilar: Tudo Que Você Precisa Saber Sobre o Procedimento

A queda de cabelo e a calvície são problemas que afetam homens e mulheres há séculos, mas os últimos anos foram marcantes em relação a um tipo de tratamento que tem se mostrado eficiente: o transplante capilar. Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar (ISHRS), esse tipo de cirurgia cresceu em 250% no mundo.

No Brasil, não é diferente: apenas o primeiro trimestre de 2023 registrou um aumento em 30% nesses procedimentos. Mesmo com todos esses números, ainda é normal que os pacientes tenham dúvidas sobre a cirurgia, os métodos utilizados e até mesmo a eficácia dos resultados, não é mesmo?

Pensando nisso, preparamos o guia completo com tudo o que você precisa saber sobre o transplante capilar. Das diferenças em relação aos outros procedimentos até as dúvidas mais comuns sobre esse procedimento. Continue a leitura para entender exatamente como essa cirurgia funciona. Confira!

O que é transplante capilar?

O transplante capilar é um procedimento cirúrgico eficaz para tratar a calvície, restaurando os cabelos perdidos e melhorando a densidade capilar. A cirurgia funciona assim: unidades foliculares saudáveis são retiradas das chamadas áreas doadoras, normalmente atrás ou dos lados da cabeça e transplantadas para as áreas mais afetadas.

Essas unidades foliculares contêm cabelos naturais e são cuidadosamente implantadas nas áreas calvas, resultando em um crescimento capilar permanente e natural. Trata-se de um procedimento seguro e minimamente invasivo, com resultados permanentes e naturais.

O que é transplante capilar

Qual é a diferença entre implante e transplante capilar?

Uma dúvida muito comum entre os pacientes em busca de tratamentos para a queda de cabelo é sobre a diferença entre implante e transplante capilar. Os dois ajudam a tratar o mesmo problema, mas o implante é uma técnica não cirúrgica que usa materiais artificiais para adicionar volume e cobertura aos cabelos.

No implante capilar, são inseridos fios sintéticos ou cabelos artificiais diretamente no couro cabeludo, criando a ilusão de cabelos mais densos. Enquanto isso, como falamos acima, as unidades foliculares são removidas de uma área doadora e implantadas nas áreas mais afetadas pela queda de cabelo.

A principal diferença entre esses dois procedimentos está no resultado final: o implante capilar é uma opção mais rápida e menos invasiva, mas os resultados podem ser menos naturais e são menos duradouros em comparação com o transplante capilar, que oferece uma solução permanente e resultados mais autênticos.

Quais são as causas da calvície e perda de cabelo?

Normalmente, o transplante capilar — ou mesmo o implante — são procedimentos procurados por quem sofre com queda de cabelo. E, segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), são mais de 40 milhões de brasileiros que sofrem com a calvície, mas as causas para isso podem ser muito diferentes.

Um levantamento da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar (ABCRC), por exemplo, indica que 80% dos brasileiros sofrem com problemas genéticos como causa da queda de cabelo, enquanto 10% é resultado da queda induzida por medicamentos, questões nutricionais, hormonais ou metabólicas.

Além disso, outros 5% acontecem por conta de necessidade de reconstrução e outros 5% por necessidades de cirurgia pós-cosmética. E essa diferença de causa pode ter um impacto, por exemplo, na indicação de qual deve ser o procedimento mais eficiente para cada caso.

Quando e quem pode fazer o transplante capilar?

O transplante capilar é uma opção viável para homens e mulheres que sofrem de calvície e desejam restaurar a densidade capilar perdida. Geralmente, é recomendado para adultos que têm calvície permanente e estabilizada, mas é importante ter uma área doadora adequada, de onde os folículos capilares possam ser retirados.

Não há uma idade específica para fazer o transplante capilar, mas é comum que os pacientes tenham mais de 25 anos, idade em que a calvície tende a estabilizar. No entanto, cada caso é único, e a decisão de fazer o transplante capilar deve ser discutida com um profissional capilar qualificado, que vai avaliar a condição de cada paciente.

Um ponto importante é que pessoas com condições médicas específicas, como diabetes não controlada, problemas de coagulação sanguínea ou doenças autoimunes, podem não ser candidatas ideais para o transplante capilar. No final das contas, a consulta com um especialista é fundamental para definir o plano de tratamento adequado.

Qual profissional pode fazer o transplante capilar?

Por falar em especialista, essa é uma parte essencial do transplante capilar: afinal, é um procedimento delicado que é realizado por uma equipe de enfermagem acompanhada por um cirurgião qualificado e experiente. Normalmente, o profissional é um médico especializado em cirurgia plástica, dermatologia ou cirurgia capilar.

O processo começa com o cirurgião fazendo uma avaliação seguida por um planejamento completo, determinando a causa da calvície, a estabilidade da condição e a viabilidade do procedimento. E, durante a cirurgia, o especialista utiliza técnicas avançadas para extrair e implantar os folículos capilares, garantindo a máximo volume e densidade capilar para o paciente.

Como funciona o transplante capilar?

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre o procedimento e as causas para quem está atrás do transplante capilar, é hora de voltar para a cirurgia, certo? Como falamos um pouco mais acima, existem algumas etapas que precisam ser realizadas antes mesmo da operação por um especialista.

Antes do procedimento, o paciente passa por uma avaliação detalhada com o profissional responsável. Durante essa consulta, são discutidos os objetivos do paciente, a causa da queda de cabelo e a viabilidade do transplante. Também é o momento em que o cirurgião avalia a área doadora de onde os folículos capilares serão extraídos.

No dia do procedimento, o paciente chega à clínica e é preparado para a cirurgia. Em um primeiro momento, a área doadora é raspada para facilitar o acesso aos folículos capilares, enquanto a área receptora é marcada de acordo com o que foi sinalizado no plano cirúrgico.

O transplante capilar é geralmente realizado sob anestesia local para minimizar o desconforto durante o procedimento. Além disso, existem duas técnicas mais comuns quando se fala em transplante capilar: FUT (Transplante de Unidade Folicular) e FUE (Extração de Unidade Folicular) — mas isso é um tópico para olharmos em detalhe mais para frente.

Independentemente da técnica utilizada, os folículos capilares são preparados para o transplante. Na prática, isso envolve a separação das unidades foliculares e a preparação das áreas receptoras para receber os enxertos.

Na fase de implantação, os folículos capilares são cuidadosamente inseridos nas incisões feitas na área calva, seguindo o plano cirúrgico previamente determinado. Para fazer isso, o cirurgião capilar utiliza instrumentos delicados para garantir a precisão e a naturalidade dos resultados.

Após a conclusão do transplante, são feitos curativos na área doadora e na área receptora para proteger os enxertos e facilitar a cicatrização. O paciente recebe instruções detalhadas sobre os cuidados pós-operatórios, incluindo como lavar o cabelo, evitar atividades físicas intensas e proteger o couro cabeludo do sol.

Durante as semanas seguintes ao procedimento, os folículos capilares transplantados passam por um processo de cicatrização e adaptação. É normal que os cabelos transplantados caiam temporariamente antes de começarem a crescer novamente. Após alguns meses, finalmente os novos cabelos começam a crescer.

Mas também é importante ter em mente que o transplante capilar não é um tratamento instantâneo para a calvície. Os resultados finais podem levar de seis meses a um ano para se desenvolverem completamente. No entanto, uma vez que os cabelos transplantados crescem, eles são permanentes e indistinguíveis dos cabelos naturais.

Com técnicas refinadas e cuidados pós-operatórios adequados, os pacientes podem desfrutar de uma restauração capilar duradoura e natural. Mas nunca é demais reforçar: para resultados realmente duradouros, é essencial consultar um cirurgião capilar qualificado para discutir as opções de tratamento e garantir o procedimento mais eficiente.

como é feito transplante capilar

Quais são os tipos de transplante capilar que existem?

Um ponto positivo do transplante capilar é que ele pode atender diferentes dores e necessidades dos pacientes e alguns dos tipos mais comuns são esses aqui.

como funciona transplante capilar

Transplante de linha capilar

O transplante de linha capilar é indicado para pacientes que desejam ajustar a linha do cabelo para uma aparência mais jovem e esteticamente agradável. Normalmente, esse procedimento é realizado em pessoas com testa proeminente ou testa alta, onde a linha do cabelo é recuada.

Transplante de parte superior da cabeça

O transplante também pode ser realizado com foco na parte superior da cabeça, para aqueles pacientes que têm uma calvície mais aguda nesta região. A lógica continua igual aos outros procedimentos: os folículos capilares são transplantados para as áreas calvas, restaurando a densidade e cobertura capilar.

Transplante em áreas específicas

Além desses tipos de transplante mais comuns, ainda são normais os procedimentos focados em áreas específicas, como quem sofre com entradas mais agudas ou até mesmo falhas em diferentes áreas do couro cabeludo.

Transplante de barba

Além disso, o procedimento também pode ser utilizado por homens que têm falhas na barba ou desejam aumentar a densidade e o volume da barba. Neste procedimento, os folículos capilares são transplantados para as áreas da barba onde há falta de crescimento capilar, deixando a barba mais cheia e densa.

Quais são as técnicas de transplante capilar que podem ser aplicadas?

Além de diferentes tipos e motivações para o transplante capilar, o especialista vai definir também qual é a melhor técnica para cada paciente. Apesar de existirem outros métodos para esse procedimento, atualmente são duas as técnicas mais comuns.

FUE (Extração de Unidade Folicular)

A técnica de Extração de Unidade Folicular (FUE) é uma abordagem avançada para o transplante capilar, conhecida por oferecer resultados naturais e minimizar cicatrizes visíveis. Neste procedimento, os folículos capilares são individualmente extraídos da área doadora usando um pequeno dispositivo de punção.

Esses folículos são então preparados para o transplante e implantados na área calva conforme o plano cirúrgico determinado. A principal vantagem da técnica FUE é a ausência de uma incisão linear na área doadora, resultando em cicatrizes mínimas e uma recuperação mais rápida.

Outro ponto importante é que essa técnica permite que os pacientes tenham a opção de raspar ou manter o cabelo curto após o transplante, sem preocupações com cicatrizes visíveis. Além disso, a técnica FUE é menos invasiva em comparação com o FUT, o que pode levar a uma menor incidência de complicações pós-operatórias, dor ou inchaço.

Ao mesmo tempo, também é preciso entender que a técnica FUE pode ser mais demorada e requer habilidades técnicas avançadas por parte do cirurgião capilar devido à natureza minuciosa da extração dos folículos capilares. Além disso, pode haver um limite para a quantidade de folículos capilares que podem ser extraídos em cada sessão.

FUT (Transplante de Unidade Folicular)

Enquanto isso, o Transplante de Unidade Folicular (FUT), também conhecido como técnica de “tira”, é uma das abordagens mais tradicionais e amplamente utilizadas para o transplante capilar. Neste procedimento, uma faixa de couro cabeludo contendo folículos capilares é removida da área doadora.

Em seguida, essa faixa é então dividida em unidades foliculares individuais, que são preparadas e implantadas na área calva conforme o plano cirúrgico. Uma das principais vantagens da técnica FUT é a capacidade de obter uma grande quantidade de folículos capilares em uma única sessão, ideal para casos de calvície mais aguda.

Além disso, a técnica FUT pode ser mais econômica em comparação com a FUE, pois permite a extração de um grande número de enxertos em menos tempo. Por outro lado, esse procedimento também resulta em uma cicatriz linear na área doadora, que pode ser visível se o cabelo for cortado muito curto.

Para alguns pacientes, isso pode ser uma preocupação, ainda mais quem decidir manter um estilo de cabelo curto. Além disso, o tempo de recuperação após o transplante FUT pode ser um pouco mais longo por conta da necessidade de cicatrização da incisão linear.

Como escolher entre as técnicas de transplante capilar?

A FUE e a FUT são duas técnicas muito eficazes, mas como escolher a ideal para a sua situação? Para começar, a decisão depende das necessidades e preferências individuais de cada paciente, mas principalmente de uma avaliação realizada pelo cirurgião capilar.

Mas se a prioridade for evitar cicatrizes visíveis e ter uma recuperação mais rápida, a técnica FUE pode ser a melhor opção. Por outro lado, se o paciente precisar de uma grande quantidade de folículos capilares em uma única sessão e não se importar com uma cicatriz linear na área doadora, o FUT pode ser mais adequado.

Independentemente da técnica escolhida, é fundamental consultar um cirurgião capilar qualificado e experiente para avaliar suas necessidades, discutir as opções disponíveis e recomendar a melhor abordagem para alcançar os resultados desejados. Com cuidados certos e acompanhamento pós-operatório, o procedimento se torna muito mais eficiente.

Como funciona o pós-operatório do transplante capilar?

Durante o pós-operatório do transplante capilar, é crucial seguir cuidados específicos para garantir uma recuperação adequada e otimizar os resultados. Afinal, logo após o procedimento, é natural que a região fique com um inchaço, vermelhidão e até mesmo crostas na área transplantada.

Mas não se preocupe: o cirurgião capilar fornece instruções detalhadas sobre como cuidar do couro cabeludo, incluindo a limpeza suave com soluções recomendadas e evitando atividades físicas extenuantes. Mas, em linhas gerais, é importante evitar coçar ou tocar na área transplantada para prevenir danos aos folículos capilares recém-implantados.

Além disso, é recomendável evitar a exposição direta ao sol e a ingestão de álcool e tabaco, pois podem interferir no processo de cicatrização. O uso de bonés ou chapéus deve ser evitado nas primeiras semanas após o transplante para permitir a ventilação adequada do couro cabeludo.

Como falamos em tópicos mais acima, ao longo das semanas seguintes ao procedimento, os cabelos transplantados começarão a cair, mas isso é parte do processo natural de cicatrização. Após alguns meses, os novos cabelos começarão a crescer, e os resultados finais do transplante capilar serão gradualmente visíveis.

Mas ainda existem algumas dúvidas bem específicas sobre o pós-operatório do transplante capilar, o que acha, então, de entrar em mais detalhes sobre as principais perguntas dos pacientes após o procedimento?

como fica a área doadora após transplante capilar

Qual é o tempo de recuperação do transplante capilar?

O tempo de recuperação do transplante capilar varia, mas em geral, os pacientes podem retomar as atividades normais dentro de uma semana. No entanto, é comum experimentar inchaço e vermelhidão nos primeiros dias após o procedimento. As crostas na área transplantada costumam desaparecer em cerca de uma semana.

Além disso, como falamos alguns parágrafos acima, os cabelos transplantados começarão a cair após algumas semanas, mas o crescimento dos novos cabelos normalmente começa dentro de três a quatro meses e os resultados completos podem ser observados após um ano.

A cirurgia doi ou gera coceira?

A cirurgia de transplante capilar é geralmente realizada sob anestesia local, minimizando o desconforto durante o procedimento. No entanto, é comum sentir um leve desconforto durante a administração da anestesia e ao redor das áreas transplantadas.

Após o procedimento, alguns pacientes relatam sensação de aperto ou dor leve, que geralmente pode ser controlada com analgésicos leves prescritos pelo cirurgião capilar. Já em relação à coceira, pode ocorrer durante o processo de cicatrização, à medida que o couro cabeludo se recupera, o que é normal e, normalmente, temporário.

Evitar coçar ou tocar na área transplantada é essencial para prevenir danos aos folículos capilares recém-implantados. Se a coceira persistir ou for intensa, é importante informar ao médico para receber orientações adequadas sobre como aliviar o desconforto e promover uma recuperação suave e eficaz.

Como tirar as casquinhas do transplante capilar?

Remover as casquinhas após o transplante capilar pode prejudicar os folículos capilares recém-implantados. Por isso, é muito importante seguir todas as instruções de quem realizou o procedimento, especialmente porque essas casquinhas começam a se soltar naturalmente após alguns dias do procedimento.

Em casos mais incômodos, para ajudar no processo, o médico pode recomendar o uso de soluções suaves para lavar o couro cabeludo, permitindo que as casquinhas se soltem mais facilmente durante a limpeza. Mas é importante não arrancar as casquinhas, pois isso pode danificar os folículos capilares e comprometer os resultados do transplante.

Paciência e gentileza na região são essenciais para permitir que as casquinhas se soltem naturalmente, promovendo uma cicatrização adequada e resultados capilares mais duradouros. Se houver dúvidas ou preocupações sobre a remoção das casquinhas, é recomendável entrar em contato com o cirurgião capilar para obter mais orientações.

Como fica a área doadora após o transplante capilar?

Após o transplante capilar, a área doadora geralmente se recupera bem, com uma cicatriz linear que tende a se tornar menos visível com o tempo. A cicatriz pode ser disfarçada pelo crescimento do cabelo ao redor, especialmente se o cabelo for mantido em comprimentos mais longos.

Em alguns casos, o cirurgião capilar pode utilizar técnicas avançadas de fechamento da incisão para minimizar ainda mais a visibilidade da cicatriz. É importante seguir as instruções pós-operatórias do médico para garantir uma recuperação adequada da área doadora.

Também é interessante evitar exposição ao sol direto e praticar cuidados adequados com o couro cabeludo, o que pode ajudar bastante na cicatrização e na redução da aparência da cicatriz. Em geral, a maioria dos pacientes fica satisfeita com a aparência final da área doadora após o transplante capilar, com resultados que parecem naturais.

Como dormir após o transplante capilar?

Outra dúvida muito comum é em relação ao momento de dormir dos pacientes que realizaram o transplante capilar: a recomendação é dormir de costas ou de lado, evitando pressionar diretamente a área transplantada contra o travesseiro.

Uma dica é usar travesseiros extras para apoiar o pescoço e a cabeça pode ajudar a manter uma posição confortável durante o sono. Além disso, é aconselhável evitar se deitar de bruços, já que isso pode colocar pressão excessiva no couro cabeludo e nos folículos capilares recém-implantados.

A cirurgia de transplante capilar é definitiva?

O transplante capilar é considerado uma solução permanente para a calvície na grande maioria dos casos. O motivo é que os folículos capilares transplantados são geneticamente resistentes ao hormônio di-hidrotestosterona (DHT), que é o principal responsável pela queda de cabelo em pessoas com predisposição genética para a calvície.

Portanto, uma vez que os folículos capilares são transplantados para as áreas calvas, eles tendem a manter seu ciclo de crescimento natural e continuar produzindo cabelos saudáveis ao longo da vida.

Mas também é importante entender que o transplante capilar não impede a progressão da calvície em outras áreas do couro cabeludo que não foram tratadas. Sendo assim, para manter resultados satisfatórios ao longo do tempo, pode ser necessário realizar sessões adicionais de transplante capilar para cobrir áreas futuras de perda de cabelo.

Além disso, o sucesso do transplante capilar também depende da seleção cuidadosa dos folículos capilares doados, bem como da habilidade e experiência do cirurgião capilar. E é por isso que um planejamento meticuloso e uma técnica cirúrgica precisa são essenciais para garantir que os resultados sejam naturais e duradouros.

Agora que você tirou todas as suas dúvidas sobre como funciona o transplante capilar, o que acha de conversar com profissionais qualificados para explicar os mínimos detalhes sobre esse procedimento? Entre em contato com a nossa equipe agora mesmo para receber mais informações e um orçamento personalizado!




    Confira nossas cirurgias

    Ficou com alguma dúvida?

    Cadastre-se e fale conosco 




      Leia tabém:

      Veja também

      Ficou com alguma dúvida sobre a cirurgia?

      cadastre-se e fale com um atendente pelo WhatsApp!




        procedimentos cirúrgicos

        Preencha os campos a baixo para iniciar sua ligação gratuitamente.




          WhatsApp de atendentes disponíveis

          Atendimento Doutor Opera

          Online

          Olá! 😁  Tire todas as suas dúvidas via WhatsApp.

          Preencha os campos abaixo para iniciar uma conversa comigo.



            Restam poucas vagas para
            realizar sua Blefaroplastia

            Quantidade de vagas preenchidas para a cirurgia

            foram preenchidas

            Preencha o formulário e garanta a sua blefaroplastia